Implementação da indústria 4.0: desafios e oportunidades

Um estudo recente da PwC mostra que apenas 9% das empresas brasileiras se classificam como realmente avançadas na digitalização. Nessa pequena parcela, o destaque é dos bancos — nos quais a necessidade de inovar tecnologicamente representa o alicerce dos negócios. Isso gera uma série de discussões no que diz respeito à implementação da Indústria 4.0.

Afinal, vivemos em um momento no qual ela se posiciona como um caminho inevitável — é preciso se adaptar para não se tornar obsoleto no mercado. Por outro lado, o momento também é de inúmeras oportunidades que podem se transformar em diferenciais para os negócios.

Pensando nisso, mostraremos aqui um panorama geral da Indústria 4.0 no Brasil, suas tendências, os desafios para a implementação e as vantagens de começar o quanto antes.

A Indústria 4.0 e suas vantagens

O termo é uma referência direta à quarta revolução pela qual a indústria mundial passa desde o seu surgimento. Do vapor e da produção em massa até a eletricidade e a automação computadorizada, o avanço tecnológico nunca parou. Entretanto, vivemos em um momento único, no qual as possibilidades parecem infinitas para a criatividade das empresas.

A Indústria 4.0 surge acompanhada da transformação digital, um processo que vem revolucionando a forma de lidarmos com o mundo ao nosso redor. Os limites entre o físico e o digital se tornam mais abstratos, mesmo dentro das fábricas.

E isso só é possível graças às novas tecnologias e o aumento exponencial da capacidade de armazenamento e processamento dos computadores. A Internet das Coisas (IoT), por exemplo, desempenha um papel fundamental na formação da Indústria 4.0.

Um aplicativo chamado Flight Radar 24 permite a visualização de voos que sobrevoam o planeta, em tempo real. Ele fornece diversos dados, como o local de decolagem, o destino, o trajeto, os horários, a localização atual com altitude e velocidade, etc. Essa visibilidade permite que as equipes envolvidas gerenciem melhor os serviços de limpeza, abastecimento, desembarque e muitos outros.

Tudo passa a ser orquestrado — e o mesmo ocorre quando esse tipo de tecnologia entra na indústria. As vantagens são tantas que representam uma verdadeira otimização de todo o trabalho no setor.

Um bom exemplo pode se visto no desempenho individual das máquinas. Se um equipamento coleta dados sobre suas atividades (temperatura, umidade, velocidade de produção, vibração do sistema, etc.) e envia para um software inteligente, falhas podem ser previstas e evitadas.

Os setores tendem a uma integração cada vez mais completa e orgânica, fazendo com que haja mais controle sobre a produção. O resultado é um produto com mais qualidade e menor custo de produção. Isso representa um diferencial pronto para deixar as concorrentes rapidamente obsoletas, a não ser que elas também se adaptem às inovações tecnológicas.

Com a automatização aliada à adoção de IoT, Big Data, Analytics, cloud computing e outras soluções, a eficiência da empresa se torna maior — pois ela utiliza melhor os recursos. Além disso, a adaptação a novos cenários é mais rápida e a integração de clientes e parceiros nos negócios chega a um novo patamar.

Entretanto, o baixo nível de digitalização das empresas brasileiras ainda gera uma série de desafios para a implementação da Indústria 4.0, como mostraremos a seguir.

Os principais desafios

O grande desafio das companhias que buscam fazer parte da transformação digital é a criação de valor. Isso significa, na prática, ter um valor real para o negócio: mais market share, mais lucro, uma marca mais forte. Ou seja, fazer da transformação digital uma ferramenta que gere benefícios financeiros e competitivos para os negócios.

Muitas vezes, o processo digital é implantado, mas nada é feito com ele. É apenas mais uma burocracia que deixa de ser impressa e se torna digitalizada. O ponto está em aplicar a tecnologia com planejamento e inteligência, para que os resultados sejam estipulados antes e alcançados depois.

Quando falamos de empresas que já se estabeleceram no mercado antes mesmo da transformação digital, o desafio é ainda maior. Afinal, há uma tendência natural a manter a estrutura atual, com medo de correr riscos com as mudanças. Na verdade, o maior risco está em não se adaptar ao novo mercado.

Assim como a Kodak um dia foi engolida pela indústria das máquinas fotográficas digitais, diversas atividades do nosso dia a dia foram modificadas pela internet. É preciso rever a relação atual de seus clientes com seus produtos e serviços para oferecer aquilo que eles realmente precisam ou querem ter.

Para esclarecer como isso ocorre na prática, falaremos a seguir sobre algumas formas de se preparar para essa nova fase da indústria.

Como se preparar para a implementação da Indústria 4.0

Em primeiro lugar, é preciso compreender exatamente qual é o perfil da indústria do futuro, a começar pelo seu projeto de automação. Ele deve se encaixar nos seguintes quadrantes da tecnologia:

  • conhecimento da planta (informação): contar com Big Data implementado, máquinas que conversam entre si e boa comunicação entre pessoas e setores;
  • produtividade (eficiência produtiva): ter objetivos para o uso do Big Data e um planejamento para alcançá-los, tomando decisões com base em dados relevantes (uso de Analytics);
  • decisões (diagnósticos e prognósticos): implementar a prática de análises preditivas por parte dos gestores para antecipar decisões;
  • novos formatos (oportunidades de negócio): repensar a indústria, comparando-a com empresas que já nasceram após a transformação digital.

Para se adequar a esses quadrantes é preciso contar com uma infraestrutura básica de IoT, Big Data, Analytics, digitalização de processos e integração de sistemas.

O momento certo é agora

Segundo um dado da Gartner, até 2020 haverá 50 bilhões de equipamentos conectados à internet — e não se trata apenas de computadores, smartphones e tablets. Isso significa uma redução significativa no preço desses dispositivos. Ou seja, o investimento necessário na indústria será cada vez menor.

O ponto crucial é investir agora — mesmo que seja pouco. O processo de inovação deve fazer parte da cultura empresarial. Portanto, o primeiro passo é buscar tecnologias de Internet das Coisas e Big Data que funcionem no seu setor do mercado. Sensores para máquinas e softwares (Analytics) são bons exemplos.

Isso pode parecer também um grande desafio, mas há uma forma de tornar essa tarefa muito mais fácil.

A importância do suporte de especialistas

Contar com o apoio de quem mais entende do assunto é a melhor forma de identificar o caminho a ser seguido. Uma vez que os equipamentos estão conectados, eles passam a gerar dados para que o Analytics crie insights que otimizem os processos de produção.

Para identificar a melhor forma de estruturar essa conexão e inseri-la nos processos, é importante fazer uma análise da planta, conectar os equipamentos e gerar dados. Isso pode ser feito com o suporte de especialistas, como a Oransys.

Com grande know how sobre o assunto, a Oransys mostra o caminho para que sua empresa entenda a estrutura que tem. Então, é dado o devido suporte para selecionar os melhores equipamentos e, principalmente, integrá-los à cadeia de processos.

A conectividade deve ir do início ao fim — com dados captados, armazenados, processados e transformados em informações relevantes, para que as ações sejam tomadas.

A implementação da Indústria 4.0 é um desafio que pode ser vencido com planejamento e suporte de especialistas. Faça uma análise em sua empresa e busque já por soluções que levem sua produtividade a um novo patamar!

Se quer mais detalhes sobre esse processo, entre já em contato com a Oransys e fale com quem mais entende do assunto!